terça-feira, 29 de janeiro de 2008

COISAS DA VIDA (XXI)

Fazer algo por quem tem menos
* Sofia Tello Gonçalves (stg15@hotmail.com)
No início de um novo ano, pensamos no que vivemos, ganhámos e perdemos, pensamos em novos projectos, ganhamos novas expectativas, esperamos que seja agora que alcancemos os nossos objectivos. A vida é mesmo assim, o tempo não pára.
Felizmente para a grande maioria dos portugueses, as nossas aspirações não passam pelos desejos de paz, segurança ou eliminação da fome, mas, para muitos, não é necessário estar no Darfur ou na Somália, para sentir medo, insegurança e fome.
Curiosamente, é na época festiva do final de ano, que assistimos a uma maior consciencialização dos nossos deveres em ajudar os outros. Nesta altura, surgem por todos os lados campanhas de solidariedade, peditórios, ofertas de cabazes, uma série de iniciativas que visam ajudar os nossos semelhantes mais desfavorecidos.
Dos trezentos e sessenta e cinco dias anuais verifica-se um significativo apelo à solidariedade de todos, nos últimos trinta e um dias.
E depois? Onde se posiciona a nossa responsabilidade social em ajudar o próximo?
No Carnaval, demasiado ocupados com a folia; na Páscoa, já nem nos lembramos; no Verão, estamos a descansar. Nos restantes dias do ano, demasiado ocupados a trabalhar e embrenhados nas nossas vidas e nos nossos próprios problemas. Não se verifica mais espaço para outros actos de solidariedade, porém, o sofrimento alheio mantém-se em todas as estações, o necessário apenas se encontra nalgumas mesas e as instituições que trabalham em prol dos desfavorecidos, vêem muitas portas fechadas.
Seja através de voluntariado, seja através de donativos (que podem muito bem ser em géneros e não somente monetários), vamos ajudar. Deixo ainda a sugestão de contactarem as instituições que pretendem apoiar, para saberem realmente quais são as suas verdadeiras necessidades.
Vamos, durante este novo ano, pensar em quem tem menos e fazer nossas, as preocupações de todos.