sábado, 9 de julho de 2016

Lendas e tradições de Amieira do Tejo

Procissão dos Terceiros *
"Contam que quem indiscretamente e a horas mortas de determinadas noites assomasse à janela, veria, subindo a calçada de S. Pedro, uma procissão, cujo aspecto, pela hora a que se passava, infundia o maior terror.
Partia do Adro, que então era cemitério, a macabra procissão, cujos componentes seriam os defuntos ou almas do outro mundo. Certa noite uma mulher da rua do Arrabalde, tendo de levantar-se cedo para fazer a amassadura do pão, ou por simples curiosidade, não tendo com que acender a candeia, abriu a porta e pediu a um dos processionários do cortejo que ia passando, que lho fizesse com a chama da sua vela. Entregou-lhe este a vela acesa, pedindo que lha restituísse na noite seguinte à mesma hora. Grandes foram, porém, o seu espanto e susto quando, indo buscá-la à cantareira na noite imediata para fazer a sua entrega, encontrou, em seu lugar, a mão de Judas!
Repreendeu-a então o terceiro, dizendo-lhe que moderasse a sua curiosidade e nunca mais se levantasse da cama para ver quem passava a cumprir o seu triste fado..., e que, quem está, está, e quem vai, vai...
in "Amieira, do antigo Priorado do Crato" - Tude Martins de Sousa e Francisco Vieira Rasquilho