segunda-feira, 4 de julho de 2016

SANTANA (Nisa): Quatro dias de festa em honra de Santa Ana (2008)



A freguesia de Santana esteve em festa durante quatro dias. Foram os festejos populares em honra da padroeira Santa Ana que trouxeram até às aldeias dos denominados Montes de Baixo (Pardo, Duque e Arneiro) algumas centenas de pessoas, muitas delas filhos destas povoações, que se deslocaram desde a “Grande Lisboa”, Entroncamento, Vila Velha de Ródão e até do estrangeiro, aproveitando a visita à terra natal para o convívio familiar e o revisitar de amigos e lugares de infância.
Durante quatro dias, a festa esteve animada, com muita participação popular, por força do excelente programa que a Comissão Organizadora fez questão de proporcionar a toda a população e visitantes.
Neste particular, as festas de Santana são diferentes, quer pela matriz hospitaleira do seu povo, que prima em bem receber e fazer com que o visitante se sinta como que em casa, integrando-se facilmente no ambiente festivo e popular que o rodeia.
Música a rodos, bailes, exibição de rancho folclórico e banda filarmónica, um programa recheado de atractivos a que o público correspondeu, ainda que, por parte da Comissão de Festas houvesse alguma preocupação quanto aos objectivos a atingir.
É que as noites frescas, especialmente a de sábado, com anúncio de chuva, não convidam muito ao consumo de bebida. Disso se recente o movimento e as receitas do bar, a principal fonte de financiamento das festas, para além do facto de as bolsas das pessoas não estarem também muito abonadas.
Um programa de animação com um mínimo de dignidade, obriga a alguma esforço financeiro e a Comissão Organizadora procurou que as festas em honra de Santa Ana tivessem o brilho merecido.
Um brilho resplandecente de fé e devoção que percorreu a multidão de fiéis que encheram a Igreja Matriz para a missa solene e que se incorporam depois na procissão, acompanhada pela banda da Sociedade Musical Euterpe de Portalegre.

Pela ruas da Igreja, Velado, Francisco Diogo Pinto e de Santana, se processou o desfile solene, nele sobressaindo as imagens da Senhora da Boa Viagem, transportada aos ombros por antigos e actuais pescadores, e a de Santa Ana.
Momento de particular emoção foi a passagem do cortejo religioso pela rua de Santana, onde se deteve para permitir que os velhinhos do lar do Centro Social pudessem também, ainda que por breves instantes, ver a imagem da sua padroeira e participar no espírito sagrado da festa.
Findas as cerimónias religiosas e no recinto das festas, actuou seguidamente o Rancho Folclórico do Grupo Cultural da Boavista (Portalegre) um dos mais conceituados do Alto Alentejo.
As danças, os trajes, o repertório de cantares tradicionais, onde não faltam as populares “saias” deliciaram as centenas de pessoas que assistiram ao espectáculo. Terra de pescadores e ferroviários, operários fabris e de trabalhadores da charneca, o povo de Santana gosta de cantar e dançar, mantendo uma predilecção pelo folclore e pelos grupos que preservam os valores etnográficos.
O grupo Toca e Foge mantiveram-se firmes até que houve gente para um pézinho de dança, isto ainda no Domingo. No último dia da festa, a música continuou a fazer-se ouvir através do acordeonista Tiago Afonso.
Durante a tarde, lugar ao desporto com a realização de um torneio da sueca e o sempre aguardado jogo de futebol entre solteiros e casados.
Mário Mendes in "Jornal de Nisa" - Ago. 2008