sexta-feira, 31 de outubro de 2008

MEMÓRIAS DA RUA DIREITA

Banda de Nisa - 1940
"Raro era o dia, sobretudo à hora do almoço, que meu pai não dispusesse de algum tempo para ensaiar – só se aprende a tocar, tocando.
Lembro que, a essa mesma hora, quem passasse à Rua Direita, igualmente ouvia o saxofone-soprano de Luís (Félix), o barítono de Abílio Porto, o saxofone-tenor de José Esteves, a viola-banjo de Dionísio Cebola, o contrabaixo de Manuel Filipe, o acordeão de Joaquim Bicho e a trompete de José Amaro.
Tal o viveiro de músicos que residiam na Rua Direita".
Dionísio Cebola in "Jornal de Nisa" - Setembro de 2007

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

AS ASSOCIAÇÕES DE NISA (I)

A INIJOVEM
A associação juvenil Inijovem - Associação para Iniciativas para a Juventude de Nisa foi fundada em 23 de Maio de 1997 por um grupo de jovens desta localidade com o intuito de promover, oficializar e fortalecer o movimento associativo juvenil, através da criação de uma plataforma representativa desses mesmos jovens.
É uma colectividade cultural, recreativa e desportiva direccionada preferencialmente mas não exclusivamente, para a promoção, organização e realização de actividades de natureza e aventura, promovendo e defendendo simultaneamente, o património natural e cultural do concelho de Nisa. Uma grande fatia da sua actividade passa também pela ocupação dos tempos livres dos jovens através da concretização de iniciativas dessa índole (acampamentos multiactividades, campos de férias, etc.).
A Inijovem está, desde Outubro de 1997, inscrita no RNAJ (Registo Nacional de Associações Juvenis), daí o seu estatuto de associação juvenil, podendo deste modo candidatar-se, anualmente, aos programas de apoio do governo (SEJ/IPJ), nomeadamente, o Programa PAAJ (Programa de Apoio a Associações Juvenis), que envolve áreas desde apoios para infra-estruturas, passando pelos planos de actividades, até à área de aquisição de equipamentos.
Encontra-se, desde 1 de Janeiro de 2002, inscrita como associada da FNAJ (Federação Nacional das Associações Juvenis Locais, com sede no Porto) plataforma que tutela e representa a nível nacional o movimento associativo juvenil local, fazendo também parte, desde Maio de 2002, dos seus órgãos sociais, sendo única associação juvenil a representar o Distrito de Portalegre no Conselho Consultivo Inter-Regional. É de referir também a filiação da Inijovem na Federação Nacional de Campismo desde Outubro de 2002.

terça-feira, 28 de outubro de 2008

NISA - Modus Vivendi

Em 1954, aquando de visita ministerial e homenagem ao D. António Lobo da Silveira, a Praça, engalanou-se e recebeu os visitantes com orgulho, brilho e glória. Às janelas, para além das colchas, os sorrisos juvenis das raparigas, apreciando o "espectáculo" de um local estratégico e privilegiado.

sábado, 25 de outubro de 2008

POSTAIS DO CONCELHO - JN 223

Disputam o distrital de futsal, têm levado algumas “cabazadas” e nem o facto de estarem no último lugar da classificação lhes tira o optimismo e a boa disposição. Um dia destes, a vitória vai acontecer!
Publicado no "Jornal de Nisa" nº 223

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

COISAS DA VIDA (XXVIII)

Silêncio
– Sofia Tello Gonçalves

No passado dia 10 de Setembro, assinalou-se o dia mundial da prevenção do suicídio. Quando li esta notícia, fiquei a matutar neste assunto. Há alguns anos tive oportunidade de fazer um trabalho na área da saúde mental e verifiquei na altura, de acordo com os estudos existentes sobre o suicídio, que se morria mais no mundo de suicídio, do que devido a mortes causadas por conflitos armados – guerra.
Ora, se infelizmente anda meio mundo a matar outro meio, em guerras sem fim, que todos os anos contabilizam inúmeras baixas, fiquei verdadeiramente impressionada em saber que existem ainda mais pessoas, que por sua livre e espontânea vontade, decidem acabar com a sua própria vida. Não censuro quem o faz. Creio que quem pratica semelhante acto, encontra-se num profundo estado de sofrimento, lamento verdadeiramente, o facto de essa pessoa estar a sofrer em silêncio há tanto tempo, e, que na escuridão da sua dor, só veja, o terminar dos seus dias como a única solução possível.
Se pensarmos bem, tudo, directa ou indirectamente acaba por nos ser próximo, e assim de relance lembrei-me logo de duas pessoas que conhecia que se suicidaram. Porquê, não sei, acho que somente elas sabem, mas o que é certo, é que nos dias de hoje, com os avanços da medicina, que contribuíram para uma incrível diminuição da taxa de mortalidade infantil, e do aumento da esperança de vida, ver tantas pessoas, morrerem vitimas das suas próprias mãos, é contraditório.
Enquanto escrevo, já se elevou para três o número de pessoas de que me recordo.
Vou ficar por aqui, já não quero saber de mais…

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

OPINIÃO - O LEITOR DÁ CARTAS

DEVEZA – Rua Dr. Sidónio Pais - NISA
Sempre a conheci assim… sem passado, sem glória, sem merecer o interesse dos que por obrigação lhe deveriam dedicar a atenção devida, para que ela pudesse cumprir dignamente a sua função social, com introdução de melhorias e transformações.
Consta…dizem… “vai ser desta”! Não acreditamos, apesar de ser fim de mandato dos que, há precisamente 4 (quatro) anos e á porta da nossa casa de habitação, nos afirmaram a pés juntos – a mesma posição tomada nos outros/anteriores 4 e pelos mesmos – que “era desta”.
Noutra intervenção deste nosso jornal, já havia feito referências á situação que aqui em pleno século XXI da Europa Comunitária, neste bairro que cataloguei de 3º mundista, se vive diariamente ( pó infernal de Verão, lama infernal de Inverno – segundo as donas de casa ).
Aos Autarcas da minha Terra, por obrigação, procurem torná-la mais digna, mais limpa!
Eu sei que a alguns esta Terra diz nada, mas no mínimo respeitem os que nela nasceram, cresceram, se fizeram homens e mulheres de bem. Não destruam o que por outros foi feito…( Rotunda ). Não a matem…há formas de a melhorar, p.e. reduzindo a zona de jardim = diâmetro. Os de cá, os NIZORROS, não gostam do que tem acontecido a Peças que lhes diziam muito, que os marcaram, mas que infelizmente vão morrendo de pé.
MF

terça-feira, 21 de outubro de 2008

MEMÓRIA HISTÓRICA DO CONCELHO DE NISA

FERVOR PATRIÓTICO
(Carta enviada ao Governador Civil para a fazer seguir ao Rei)
Ao Rei
Senhor. A Camara Municipal d´este concelho, tendo conhecimento de que ha pouco tempo, n´uma reunião celebrada em Badajoz, a que assistiram portugueses e hespanhoes, se concertara e estabelecera o plano de uma republica federal, que tinha por consequencia immedeata a perda da nossa autonomia como nação livre e independente, não pode deixar de inserir nas suas actas um voto de protesto contra semelhante tentativa antipatriotica e criminosa. Ao mesmo tempo aproveita esta Camara este ensejo de apresentar a Vossa Magestade as homenagens do seu respeito e a sua fiel adhesão ás instituições que regem o paiz, á sombra das quaes elle tem vivido largos seculos livre e respeitado.
Deus guarde a Vossa Magestade.
Niza 8 d´agosto de 1893
O vice-presidente da Camara : Castello Branco

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Reparação telhado da Igreja Matriz de Nisa - Reportagem fotográfica





NISA - O Protesto contra exploração do urânio na imprensa

Manifestação contra eventual exploração de urânio em Nisa reúne mais de 300 pessoas
Mais de 300 pessoas manifestaram-se hoje de forma pacífica, em Nisa, contra a eventual exploração de urânio naquele concelho do norte alentejano, num protesto a que se associaram ecologistas, autarcas e agricultores.
A "Marcha da Indignação" partiu do centro da vila de Nisa em direcção à herdade onde existe uma jazida de urânio inexplorado, a cerca de três quilómetros de distância.
Sempre com a GNR por perto, mas sem que tivesse ocorrido qualquer incidente, os manifestantes gritavam, entre outras palavras de ordem, "Urânio em Nisa não", "Não, não, não à contaminação".
Nos cartazes podia ler-se: "Contra o urânio por um respirar saudável", "Nisa diz não ao urânio", "Nisa sim, urânio não".
A iniciativa esteve a cargo do Movimento Urânio em Nisa Não (MUNN), da Quercus e de várias entidades locais, como a associação comercial, Associação de Desenvolvimento de Nisa, Terra-Associação para o Desenvolvimento Rural e Associação Ambiente em Zonas Uraníferas.
A jornada de protesto e sensibilização iniciou-se no Cine Teatro de Nisa com uma Tribuna Cívica, onde vários ex-trabalhadores das minas da Urgeiriça (Nelas), entre outras entidades, prestaram o seu depoimento contra a exploração deste minério na região.
Em declarações à agência Lusa, a deputada Heloísa Apolónia, do Partido Ecologista "Os Verdes", lembrou "os malefícios" que este género de exploração já provocou nos trabalhadores das antigas minas da Urgeiriça e defendeu que Nisa precisa é de "projectos turísticos".
De acordo com a deputada, o grupo parlamentar de "Os Verdes" vai brevemente "questionar directamente o Ministério da Economia face às incoerências da sua resposta quanto à intenção em relação à exploração de urânio em Nisa".
O concelho alentejano de Nisa, no distrito de Portalegre, possui no seu jazigo inexplorado de urânio um potencial que ronda os 6,3 milhões de toneladas de minério não sujeito a tratamento, 650 mil quilos de óxido de urânio e 760 mil toneladas de minério seco.
A presidente do município local, Gabriela Tsukamoto, mostrou-se também desfavorável à eventual exploração de urânio em Nisa, considerando que "é uma incógnita, porque não se sabe as consequências em termos de saúde pública, ambientais e em termos económicos".
A autarca defendeu que "é preferível pegar nos recursos do concelho, como os queijos, os enchidos, os bordados, o termalismo entre outros factores e torná-los mais sustentáveis".
A mesma opinião é partilhada pelo presidente da Associação dos Agricultores do Distrito de Portalegre, Fragoso de Almeida, que colocou ainda em dúvida, caso se concretize a abertura da jazida de urânio, o futuro da agricultura na região.
"A agricultura regional terá sempre o ónus desta exploração em cima. E uma exploração desta natureza, sem qualquer demagogia, inviabiliza o desenvolvimento rural e o abandono das terras", alertou.
O responsável do núcleo regional de Portalegre da associação ambientalista Quercus, Nuno Sequeira, disse à agência Lusa que a acção de contestação "pretende sensibilizar o Governo para recusar o avanço da exploração de urânio na zona de Nisa".
"É importante não esquecer os erros cometidos em toda esta actividade na zona centro do país, as marcas familiares, dramas de saúde e ambientais e alertar para as consequências gravosas que poderá trazer para o concelho de Nisa e para o distrito", avisou.
Além da sensibilização das populações locais para os "riscos que a eventual exploração de urânio comportará", a iniciativa pretendeu alertar para o facto de o "modelo de desenvolvimento, investimentos em curso e economia local não serem compatíveis com a exploração de urânio".
Fonte: Lusa

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Casais de Nisa festejaram 25 anos de matrimónio

Foi uma iniciativa inédita, pelo menos na vila de Nisa, a celebração festiva a evocar 25 anos de vida em comum.
Um quarto de século de vida a dois, e depois a três, a quatro e a cinco, consoante o número de “rebentos” frutos dessa união, multiplicada pelos 12 casais que se juntaram e fizeram a festa, no último sábado de Setembro.
Foram mais aqueles que se uniram pelo matrimónio no ano de 1983, mas nem todos puderam estar presentes.
Ainda assim a festa dos “25 anos de matrimónio” fica a marcar mais uma “modalidade” de encontros e convívios em que é pródiga a vila de Nisa.
O jantar de celebração dos 25 anos decorreu no restaurante “3 Marias” e a gerência primou por receber os “casais matrimoniais” com pompa e simpatia, a todos tendo presenteado com uma mensagem de parabéns e de felicitações, original.
Após o jantar, a festa prosseguiu. A música e a dança, a lembrança de outros tempos, o sorriso e amparo dos filhos, contribuíram para que este dia fique também a figurar na história dos dias felizes e que um dia mais tarde, na companhia dos netos, hão-de, certamente, ser lembrados.