segunda-feira, 18 de outubro de 2010

INIJOVEM promoveu caminhada Nisa-Fátima


Decorreu entre os dias 2 e 4 de Outubro de 2010, mais uma edição da caminhada Nisa - Fátima. A organização esteve uma vez mais a cargo da INIJOVEM - Associação para Iniciativas para a Juventude de Nisa. Participaram 42 caminheiros que durante 3 dias percorreram os 117 km que ligam Nisa a Fátima. Na 1ª etapa, entre Nisa e Alvega, palmilharam-se 39,9 km, na 2ª etapa, entre Alvega e Vila Nova da Barquinha, a maior das três, percorreram-se 41,6 km. Para além de ter sido a etapa mais longa e mais difícil, foi também aquela em que o mau tempo resolveu fazer das suas, muita chuva e muito vento, principalmente entre Rio de Moinhos e Constância, dificultaram um pouco o ritmo da marcha. Na 3ª e última etapa, entre Vila Nova da Barquinha e o Santuário de Fátima, andaram-se 35,5 km, com destaque para a subida da Serra de Aire e Candeeiros, desde o Pafarrão até ao Centro de Animação Ambiental na localidade do Bairro. A chegada ao Santuário de Fátima ocorreu às 18h10. Organização e caminheiros estão de parabéns, pois foram alcançados os objectivos propostos. Foi também realizado um jantar convívio no dia 9 de Outubro às 21h00, na sede do Sport Nisa e Benfica, servido no restaurante Flor do Alentejo, que serviu de confraternização e de rescaldo. A INIJOVEM gostaria também de aproveitar esta oportunidade para agradecer a todos aqueles que, a título pessoal ou colectivo, apoiaram esta iniciativa, a saber:
Ao Rui Balonas, Bruno Figueiredo, António José Parreira Dinis (enfermeiro), Sérgio Cebola, João Paulo Valente, António Pimpão, Rosalino Castro, José Carlos Monteiro, António Miranda (website Vila de Nisa), Maria da Conceição, Ricardina e aos alunos do Curso Técnico de Termalismo da ETAPRONI: Rute Paixão, Catarina Patrício, Luís Carvalho e Marina Aparício;
Ao Município de Nisa, Mobiladora Nisense, restaurante “Flor do Alentejo” – Nisa, Grupo de Bombos de Nisa, Talho Manso, Farmácia Ferreira Pinto, Farmácia Seabra, Bombeiros Voluntários de Vila Nova da Barquinha, Agrupamento de Escolas D. Miguel de Almeida – Abrantes, Clube Náutico de Abrantes, Centro de Dia da Paróquia de S. Pedro – Alvega, Centro de Animação Ambiental da Serra de Aire e Bombeiros Voluntários de Constância.
E a todos os caminheiros.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

“O casamento em Nisa …um baú cheio de recordações!”

Exposição ( a não perder!) no Museu do Bordado e do Barro
No Museu do Bordado e do Barro - Núcleo Central (edifício da Cadeia Nova) está patente, até 15 de Janeiro, a exposição “ O Casamento em Nisa … Um Baú Cheio de Recordações”.
A exposição tem como tema os casamentos tradicionais em Nisa e pretende abrir o baú das recordações e das memórias que alguns ainda têm sobre a festa do casamento, tal como ela existia há umas décadas atrás .
A exposição integra peças da colecção do Museu e algumas cedidas por particulares, nomeadamente alfaias domésticas e bordados.
São apresentados e ilustrados alguns dos aspectos mais características desta celebração, nomeadamente o cortejo (da casa dos noivos até à igreja e da igreja até ao local do copo de água), o enxoval da noiva e a “casa da festa”, o “quintal da festa” e o “descante”.
Na véspera do dia do casamento, a “casa da festa” era aberta aos convidados que podiam apreciar as mobílias, as loiças, os utensílios domésticos e todo o enxoval dos noivos. Em Nisa, a noiva iniciava desde muito jovem, a elaboração do seu enxoval que era exposto na “casa da festa” onde se destacava o quarto com a chamada “cama grave” que apresentava a parte mais significativa do enxoval com lençóis, almofadas, colchas e cobertores, que exibiam alinhavados, rendas de bilros, bordados e aplicações em feltro. O enxoval, muitas vezes, era vendido, sendo a receita obtida utilizada como contributo para a compra da casa do jovem casal.
No “quintal da festa”, ao longo do dia da boda eram servidos aos convidados o almoço, com sopas de sarapatel e, à tarde, “sopas de afogado” (ensopado de borrego).
Os noivos viam a noite de núpcias interrompida pelo “descante” - uma serenata onde amigos, numa melodia tradicional, entoavam versos que descreviam o historial dos noivos e do namoro e formulava os votos de felicidade. Era reclamada a vinda dos noivos à janela, e que fosse servida alguma bebida.

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

NISA: 75º Aniversário do Sport Nisa e Benfica

UM CLUBE EM FESTA
O Sport Nisa e Benfica está a comemorar 75 anos de existência. O programa das comemorações teve início no dia 26 de Setembro com a realização de um passeio a cavalo e prosseguiu neste fim-de-semana (1 e 2 de Outubro) com um conjunto de iniciativas destinadas a evocar a vida da mais popular colectividade desportiva do concelho de Nisa. As rivalidades com o Sporting
A história do Sport Nisa e Benfica remonta ao longínquo ano de 1935, quando um grupo de jovens, no auge das rivalidades locais com a filial nisense do Sporting, tomou a iniciativa de “romper” com as estruturas existentes e de criar uma nova colectividade.
A fundação do clube, com o nome inicial de Sport Lisboa e Nisa, data de 1 de Outubro de 1935, dando corpo ao sonho dos nisenses Isaac Araújo Baptista, José da Piedade Pires, Esteves da Anunciada Cebola e António Maria Carolo.
Em 13 de Janeiro de 1936, é eleita a primeira direcção, dela fazendo parte: o médico António Granja, José da Piedade Pires, Vicente Fernandes Nogueira, Eduardo Dinis Filipe, Esteves da Anunciada Cebola, José da Graça Sena, José Carita Serralha, João da Cruz Charrinho, Virgílio Pinheiro, João da Cruz Charrinho e António Semedo da Piedade.
A primeira sede instalou-se numa casa alugada na Rua da Fonte; anos mais tarde e também por arrendamento, transferiu-se para instalações muito mais amplas, na Estrada de Alpalhão (rua 25 de Abril), onde tinham lugar, em datas certas, grandes bailes populares, iniciativas destinadas a obter de receitas para o clube e principal razão de angariação de sócios.
Em 1946 e por força da determinação do Sport Lisboa e Benfica, o clube passou a designar-se com o nome que tem hoje, Sport Nisa e Benfica, tornando-se na 39ª filial do clube lisboeta.
Os jogos da bola e os bailes no “Galocha”
No início eram os jogos de futebol com o rival Sporting, sem qualquer espírito de competição oficial. Os bailes populares, já referidos, constituíam as mais importantes manifestações colectivas num tempo em que na vila (e no país) as colectividades espelhavam a divisão inter-classista existente e por isso os bailes no Benfica eram conhecidos como os bailes do “Galocha”, para vincar o seu carácter profundamente popular e rural (dos trabalhadores do campo) em compita com outras agremiações como a Sociedade Artística (dos "artistas" e que incluía todos os artesãos, a excepção dos trabalhadores rurais) ou o Clube Nisense, “poiso” de uma burguesia local e regional, que não admitia “misturas”.
Com este quadro, fácil é perceber que o Nisa e Benfica fosse a associação com maior número de sócios e também de actividades, e profundamente enraizada entre a população.
O atletismo praticou-se durante alguns anos, bem como o ciclismo, uma modalidade muito popular durante os anos cinquenta e sessenta do século passado.
É no início da década de 60 que o Sport Nisa e Benfica participa pela primeira vez em provas oficiais de futebol. Aos “distritais” de seniores, seguiram-se os juniores, os principiantes, e todas as demais categorias do futebol jovem, não só a nível distrital, mas também nacional, em seniores (3.ª Divisão) e juniores (campeonato nacional) numa caminhada que não mais parou e que todos os anos se renova, tanto a nível de novos atletas, como nas provas e objectivos com que se participa. Entre estes e num concelho que sofre os problemas da interioridade e da desertificação, assume relevo a ocupação salutar das crianças e dos jovens, a educação no espírito e respeito pelo “fair play”, valores alternativos aos mundos subterrâneos da droga e do vício e que, geralmente, constituem becos sem saída. A par do futebol, o Sport Nisa Benfica manteve em actividade, secções de Cicloturismo, andebol e futsal, funcionando como secções autónomas e sem encargos para o clube. No futsal, conquistou o primeiro campeonato distrital organizado pela AFP tendo sido, aliás, um dos precursores desta modalidade, hoje tão popular no distrito. Outro tanto se passa com a equipa de futebol de veteranos (Velhas Guardas) que percorrem país, com total autonomia e auto financiando-se.
Além destas actividades e num espírito recreativo, o Sport Nisa e Benfica organiza regularmente torneios de pesca desportiva ou de futebol de salão e outros visando quer a obtenção de fundos, quer, acima de tudo, a dinamização desportiva e o convívio entre associados. Valorização do património
O Sport Nisa e Benfica dispõe de sede própria na Rua 25 de Abril, e de Campo de Jogos, com o nome de D. Maria Gabriela Vieira, a benemérita nisenses que doou ao clube, sem qualquer contrapartida, uma extensa propriedade, na qual está implantado o campo de futebol (105x65 m) balneários e anexos de ampla dimensão.
A reconstrução do imóvel na Rua 25 de Abril propriedade do clube e onde este se instalou há mais de 50 anos é hoje uma realidade, passando a dispor de melhores condições para os sócios e para a população que utiliza o salão para a realização de diversas festas de convívio ou familiares. A valorização do património é objectivo que não tem sido esquecido pelos diversos elencos directivos que têm gerido o clube.
Em 5 de Outubro de 1998 foi inaugurada pelo então Secretário de Estado do Desporto, Miranda Calha, a primeira fase da bancada (lateral).
No Verão de 2000 foi dado início à construção da bancada central no Campo de Jogos, incluindo a mesma uma cabine para a comunicação social. Estes melhoramentos que transformaram de modo significativo o conjunto de estruturas e equipamentos do Nisa e Benfica que, entretanto, passou a ser a 9ª filial do SLB, foram conseguidos por força de uma enorme dedicação e determinação.
Falta, porém, num clube com um brilhante historial de 75 anos de existência e que tantos atletas deu ao futebol distrital e nacional, aquela que seria a prenda maior: a implantação de um campo relvado ou sintético, a exemplo do que existe em todos os concelhos dos distrito.
Nisa, por ser um dos pioneiros e mais destacados, a nível do futebol, bem merece esta infra-estrutura.
Um rico historial
1975/76 – Campeão Distrital de Futebol (seniores)
1976/77 – Participação no Campeonato Nacional da 3ª Divisão
1977/78 – Campeão Distrital de Futebol (seniores)
1978/79 – Participação no Campeonato Nacional da 3ª Divisão
1979/80 – Campeão Distrital de Futebol (seniores)
1980/81 – Participação no Campeonato Nacional da 3ª Divisão
1981/82 – Campeão Distrital de Futebol (seniores)
1982/85 – Participação no Campeonato Nacional da 3ª Divisão
1986/87 - Campeão Distrital de Futebol (seniores)
1987/88 – Participação no Campeonato Nacional da 3ª Divisão
1998/99 - Campeão Distrital de Futebol (seniores) – 2ª Divisão
1998/99 – Vencedor da Taça AFP (seniores)
1999/00 - Campeão Distrital de Futsal (seniores)
2000/01 – Participação no Campeonato Nacional de Futsal (3ª Divisão)
2002/03 – Campeão Distrital Infantis
2003/04 – Vencedor da Taça AFP (Infantis)
2003/04/05/06 – Vencedor da Taça AFP Iniciados
2004/2005 – Vencedor da Taça AFP Juvenis
2008 – Ricardo Mateus em representação do Sport Nisa e Benfica é campeão nacional de corta-mato (juniores).
Comemoração dos 75 Anos do Sport Nisa e Benfica
PROGRAMA
Sexta-Feira, dia 1 – Cine Teatro de Nisa
18h – Missa em Memória de todos os sócios falecidos
22h – Espectáculo com a banda da Soceidade Musical Nisense
23h – Actuação de fadistas do concelho de Nisa
Sábado – Dia 2 Out. – Cine Teatro de Nisa
* 10 h Inauguração da Exposição dos 75 anos do Sport Nisa e Benfica
* 11h – Sessão solene com entrega de lembranças
* 13 h – Almoço convívio (garagens da CM Nisa) com a presença de 2 glórias do Sport Lisboa e Benfica
* 18,30h – Porco no espeto na sede do SNB para todos os sócios.
Actuação do grupo de música popular “Domingos & Dias Santos”
Mário Mendes in "Fonte Nova" - 2 Out. 2010

domingo, 11 de julho de 2010

NISA: Assembleia Municipal contra portagens na A23

Na sessão da Assemleia Municipal de Nisa realizada no passado dia 28 de Junho, foram apresentadas duas moções de contestação à introdução de portagens na A23.
A primeira moção teve como proponente José Manuel Basso (independente, PS) enquanto a outra foi apresentada por Marco Moura, em representação da CDU, sendo ambas aprovadas por unanimidade, e que deram origem a um texto único, divulgado pela presidente deste órgão deliberativo municipal.
" Recentemente, contrariando a filosofia original de promover a acessibilidade ao interior e, assim, facilitar o seu desenvolvimento, tem estado no centro do debate político nacional a instalação de pagamento na utilização de auto-estradas SCUT.
A vingarem as perspectivas mais radicais, também será abrangida por esta medida a A23, auto-estrada que constitui o percurso natural de deslocação de Nisa para Lisboa e todo o Litoral Centro e Norte do País.
Tendo em conta que os indicadores de desenvolvimento socioeconómico da região são inferiores á media nacional, e entendermos ser da mais elementar justiça a coesão territorial, sendo que esta só é real se por parte do estado, for mantida uma descriminação positiva, de forma a contrariar o êxodo das populações para o litoral.
As populações do Concelho de Nisa, Distrito de Portalegre, Beira Baixa e Médio Tejo, irão sofrer um grave atentado ao seu desenvolvimento regional, pois não tenhamos a menor dúvida que a A23 foi, e é, uma via estruturante que contribui para aproximar as populações e para, através de uma evidente melhoria da mobilidade rodoviária, se fixem novas empresas em diversas localidades da região.
Decorrendo do exposto, a Assembleia Municipal de Nisa reunida em Sessão Ordinária no passado dia 28 de Junho de 2010, manifestou por unanimidade e entendeu fazer chegar com carácter de urgência ao governo e outros órgãos de soberania, toda a sua discordância com a decisão do governo em colocar portagens na A23, entendendo que a mesma deverá ser suspensa, manifestando também toda a solidariedade para com as autarquias e movimentos de cidadãos que têm vindo a contestar esta já previsível decisão do Governo."
João José Esteves Santana - Presidente da Assembleia Municipal de Nisa
28 de Junho de 2010