sexta-feira, 9 de novembro de 2012

II Travessia do Concelho de Nisa


A INIJOVEM vai organizar a II Travessia do Concelho de Nisa, nos dias 24 e 25 de Novembro, 1 e 2 de Dezembro de 2012.
Programação prevista:
Dia 24-11: 1ª etapa -
Nisa/Amieira do Tejo (19 km);
Dia 25-11: 2ª etapa - Amieira do Tejo/Tolosa/Alpalhão (25 km);
Dia 01-12: 3ª etapa - Alpalhão e Montalvão (27 km);
Dia 02-12: 4ª etapa - Montalvão/Nisa (17 km).
1ª Etapa (dia 24-11):
08h00: C
oncentração na sede da INIJOVEM;
08h30: Início da travessia.
(os restantes horários serão comunicados no local)
Condições de participação:
- Ser sócio da INIJOVEM, com quotas em dia;
- Ser maior de 15 anos de idade e estar devidamente autorizado a participar;
- Ter manifesta experiência em pedestrianismo, nomeadamente na realização de travessias em autonomia parcial ou total;
- Inscrever-se e efetuar o respetivo pagamento até 22/11/2012;
- Os participantes deverão munir-se de equipamento adequado à atividade, que inclua, nomeadamente, mochila com, entre outras coisas, saco-cama (tipo ultraleve), esteira ou colchonete (a pernoita será em piso duro), 1 muda de roupa, artigos de higiene pessoal e comes e bebes para 2 dias de atividade, sendo vivamente aconselhável que o peso total da mochila não ultrapasse 10% do peso corporal.
Notas da Organização:
- A alimentação será da responsabilidade dos participantes, contudo serão fornecidos 2 reabastecimentos diários (1 água+1 fruta+1 barrita energética);
- Os almoços serão volantes e os jantares nos locais de final de etapa, ambas as situações sob o lema montanheiro "leva o teu e come de todos!";
- A Organização tentará criar as condições técnicas e logísticas de apoio à realização das refeições (transporte e outro apoio logístico);
- Grau de Dificuldade: Médio/Alto;
- Tipo de Percurso: Em travessia, de pequena rota, por caminhos de terra batida, trilhos de pé posto, com passagens ocasionais por troços de asfalto;
O valor da inscrição inclui:
Seguro, transfers documentação, enquadramento técnico na atividade, viatura de apoio, reabastecimentos e alojamento em piso duro;

sábado, 19 de maio de 2012

NISA: Presidente da Câmara exige solução para má recepção da TDT no concelho

A 26 de Abril, teve início no concelho de Nisa a transmissão do sinal da televisão digital terrestre (TDT). O fim do sinal analógico de televisão teve como consequência que muitas residências do concelho deixassem de ter acesso a qualquer emissão de televisão.
A má receção do sinal da TDP motivou a carta que a seguir se transcreve, endereçada pela Presidente da Câmara Municipal de Nisa ao Presidente da República, Primeiro Ministro, Lideres dos Grupos Parlamentares, Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM), Presidente da Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo (CIMAA) e Presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP).
O dia 26 de Abril ficou marcado, em Portugal, por um dia negro, com a cessação das emissões de televisão analógica terrestre passando as mesmas a ser realizadas, exclusivamente, através do sistema digital.
Aquilo que se pressuponha e apregoava de melhores condições de acesso à televisão pela população não passou de mais um embuste, com prejuízo para todos quantos, a muito custo, adquiriram os equipamentos necessários para o funcionamento normal da TDT.
Em tempo útil fizemos uma informação, que distribuímos pela população do concelho de Nisa, no sentido de, conjuntamente, podermos resolver uma questão, que não sendo da responsabilidade do Município, logo nos predispusemos a fazer tudo o que está ao nosso alcance.
Consideramos que o momento é deveras constrangedor para todos, especialmente para a população que, com grande esforço, tudo fez para não ficar privado de televisão, pelo que não poderei ficar indiferente a este problema, em função do número de reclamações que diariamente chegam à Câmara Municipal.
Estamos em crer que, apesar de a ANACOM justificar através de um jornal nacional, em 14 de Maio de 2012 que "… apenas seis por cento da população, localizada em zonas fronteiriças ou de pouca densidade populacional, não tem acesso ao sinal digital terrestre, ficando obrigada a adquirir equipamento específico, que custa cerca de 60 euros..." esta não deverá constituir um dado adquirido, tratando os portugueses de forma diferenciada, em bom rigor fazendo atropelo ao Artigo 13.º (Princípio da igualdade) da Constituição da República Portuguesa.
Face aos problemas que o concelho de Nisa tem em termos eficiência de cobertura de sinal da TDT, venho pelo presente exigir um tratamento, em igualdade de circunstâncias, para os munícipes do meu concelho, não deixando de considerar esta situação vergonhosa e escandalosa, uma vez que tal processo impede aqueles que são os principais lesados de terem acesso à televisão e por consequência limitando o acesso à informação e ao conhecimento.
A Presidente da Câmara Municipal de Nisa
Maria Gabriela Tsukamoto